http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Abandoned - Jantar

Olá pessoal!

Aqui está mais um capítulo da fanfic da Tina.
Comentem!


Abandoned
24ª Capítulo

“A Cascata” era o nome do pequeno restaurante onde fomos jantar.
Quando entramos, uma mulher baixinha, com cabelos loiros em cacho e uma cara redonda sorridente, cumprimentou-nos.
-Devem ser do jantar de aniversário, calculo? –perguntou, numa voz animada, ao que Elen acenou com a cabeça –Então sejam bem-vindos ao nosso restaurante, sigam-me, por favor.
E desapareceu por uma porta, coberta por uma cortina de veludo.
O hall no qual nos encontrávamos era de certo modo engraçado. As paredes tinham sido revestidas com painéis de madeira escura até metade, e na metade superior predominava um tom de amarelo, embora coberto de pequenas flores verdes. Havia ainda uma mesinha de uma madeira polida do mesmo tom, onde se encontrava uma lista de reservas e meia dúzia de ementas, e ainda uma jarra com flores vermelhas, amarelas e lilases. Uma placa talhada através de um pedaço de árvore irregular, tinha escrito “A Cascata” e a ilustrar isso mesmo existia, mesmo por cima da mesa um quadro com uma enorme cascata, que dava a sensação de estar em continuo movimento. Em fim, na apreciação global, o restaurante era acolhedor e num estilo para o rústico, poderia até ter um dez na minha escala, não fosse o horrível bibelô de um esquilo, posto do lado oposto à jarra.
Seguimos a mulher por um corredor estreito, que desembocava numa sala de jantar espaçosa. O estilo era parecido com o outro: cadeiras e mesas de madeira escura, parede revestida da mesma forma e ainda alguma decoração alusiva ao tema. Ao lado do balcão de atendimento, encontrava-se uma cascata, com cerca de metro e meio, construída cuidadosamente e com pedras reais esculpidas.
A mulher dirigiu-se a uma mesa grande, no canto da sala. Estava coberta com uma toalha branca, pratos finos e um enorme conjunto de talheres com os quais eu não sabia trabalhar –mais, alguns até nunca os vira.
-As ementas –disse a mulher, esticando-se até cada um de nós.
Ao todo, éramos sete, no entanto, desejava que fossemos mais, quer pelo facto da minha mãe não ter vindo –claro que eu não queria que viesse a Linda Heffer, mas sim a minha mãe –quer porque nem Shaunee, nem Erin, nem Eric, nem Damien, nem… Stevie Rae. Aliás, se tudo tivesse corrido bem na minha vida, naquela mesa estariam, em principio, Shaunee, Erin, Eric, Damien, Stevie Rae, a minha avó, a minha mãe, e, talvez, até mesmo Neferet… No entanto, daquela lista, a única pessoa com quem eu não tivera, chamemos-lhes, “desentendimentos” fora com a minha avó… Mas não interessava, e eu própria obriguei-me a desviar os pensamentos, porque não queria ficar assim no meu dia de anos.
Acabei, obviamente, por esquecer aqueles pensamentos, mandei vir a minha massa Carbonara –embora não sem uma enorme insistência pela parte de Elen para que eu escolhesse uma lasanha vegetariana, incrivelmente cara, o que foi, obviamente, reforçado por Alisha – e a minha coca-cola –que não era de dieta, fique bem claro – e o resto do jantar correu muito bem, com toda a gente na mesa a rir, principalmente nós, os “menores de idade”.
-Ai –suspirou Alisha, deslizando na cadeira –Não consigo comer mais!
-Nem uma tarte de natas? –perguntou Luke, com um ar meio atrevido.
-NÃO! –sublinhou ela –Imaginas a quantidade de calorias que já enfiei no corpo? Podia jejuar uma semana e no fim ainda conseguia dar as minhas voltas ao campus! Engordei três quilos nas ultimas três horas… Ainda bem que não fazes anos todos os dias, Zo!
-É um alivio…
-Pois, imagina o que nós não engordávamos…
-Eu não engordava de certeza…
-Hum?
-Se fizesse anos todos os dias, já cá não estava para contar a historia…
Luke sufucou uma gargalhada.
-Não gozes comigo, parva! A sério, não posso comer assim.
-Poder podes, ninguém te impede –disse Jason.
Depois, Luke fez um gesto à empregada que por ali cirandava.
-Diga –pediu ela, chegando perto de nós.
-É uma fatia de tarte de natas…
-Duas –acrescentei.
-Não, três –disse Jason.
-Oh, obrigadinha.
-Vá lá Al, não faço anos todos os dias! –ri-me
-Graças à Deusa! –resmungou, depois suspirou, rendida –Quatro fatias, por favor.
-Trago já. –afirmou a empregada, e foi-se embora.
Trouxe-as, passados minutos, e colocou-as à nossa frente.
-Bom apetite –acrescentou, sorrindo.
Comemos, com deleite, os primeiros pedaços, até que Luke teve uma ideia genial.
-Olha lá, Jason. –chamou.
Depois, atirou um pedaço de tarte ao ar, tentando apanha-lo com a boca. Falhou. O pedaço cremoso vou e aterrou em cheio na cabeça de Alisha, que se sentava ao seu lado.
-Ah –berrou, depois o seu olhar faicou, pegou no guardanapo e tirou a maça informe da sua cabeça, enfiando-o entre os olhos de Luke.
-Está a pedi-las –sibilou ele.
De seguida, arrancou um bocado de tarte, e atirou-lho de novo.
Claro que aquilo acabou como uma espécie de guerra, e também me envolveu a mim e a Jason, por mais suplicas dos adultos.
No fim, acabei com tarte no cabelo, na camisola nova –sim, infelizmente –e na cara, todos nos ria-mos, como umas criancinhas parvas.
Era verdade, tinha sido uma noite fantástica, infelizmente, tivemos de nos levantar, William insistiu em pagar, e tivemos de ir.

2 comentários:

R.V. disse...

Uau, gostei muito, comi sempre, mas tenho preguiça de comentar :P
Acho q já disse noutro comentario tudo o que tinha a dizer, então aquilo que disse mantém-se!
♦♦♦♦R.V.♦♦♦♦

Danyela ☾ disse...

R.V.: Compreendo que gostes da fic e que a leias.....mas um comentario é sempre bom e a Tina fica mais empenhada na escrita desta fic....

A Tina agradece o comentario!

bjs,
Danyela CdN