http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Fanfic: Sangue Cruzado - Capitulo 1


CAPÍTULO UM

Nas inúmeras viagens que fizera, nenhuma fora tão bela como aquela que fiz a Vancouver. Cidade já por si bela, purificava as pessoas com uma aura de tranquilidade. Quem me dera poder encontrar uma resposta para a única pergunta que residia na minha cabeça: porquê havia sido Marcada? Sempre que pensava naquilo, menos relutância se fazia parecer. Procurei sempre ver se existia alguém como eu. Óbvio que existiam pessoas assim. A serem devidamente preparadas para se tornarem vampyros. Eu não queria aquele destino. Queria seguir com a minha vida, como sempre fizera.
Não queria depender de nada nem de ninguém para ter a vida que sempre desejara para mim. Apesar de saber que podia ficar doente se não fosse para uma Casa da Noite ou se não estivesse perto de um vampyro adulto. Preferia mil vezes a última hipótese. Porém, resignava a hipótese de morrer. Isso estava claramente fora de questão. Mas como havia de saber todas estas coisas se não estava devidamente preparada? Estava sozinha naquele mundo escuro e frio, sem ninguém para me apoiar e cuidar de mim. Sendo uma criatura supostamente mitológica, se bem que ainda estou a passar pela Mudança portanto ainda não sou bem mitológica tanto quanto isso, quem é que iria sequer arriscar estar ao pé de mim?
Enquanto murmurava para mim respostas sem qualquer sentido, nem sequer havia reparado que ainda estava sentada numa mesa do canto, ao pé do café Monsuit. Coisa estranha, admito. Ainda tinha o café à minha frente a soprar o vapor para o ar, dissolvendo-se em milésimos de segundo. Tomei-o cuidadosamente, tomando atenção a toda a gente à minha volta para que não reparassem na minha marca. Podiam caçar-me ou torturar-me. Tinha que ter o máximo de cautela. Ao mínimo deslize, a morte estaria bem mais próxima do que eu poderia julgar.
As notícias da rádio estavam a relatar vários acontecimentos, entre os quais um pelo menos me causou uma impertinente atenção: “ Perante alguns incidentes que têm percorrido o mundo inteiro, estudantes têm desaparecido sem deixar rasto. Ninguém sabe o como ou o porquê, mas simplesmente se desvaneceram. O Povo da Fé já tem reunido mais alguns apoiantes, a fim de porem término à vida das criaturas a que chamam vampyros. Muita gente tem entrado em pânico, mas temos todos de manter a calma. Quem sabe o que andará mais por aí. E aqui terminamos a nossa emissão desta noite.”
Pelos vistos, agora anda tudo a ser Marcado. Mas não fazia qualquer sentido. Nyx só marcava aqueles que teriam algum potencial e um coração nobre. Eu nunca me consegui encaixar em nenhuma daquelas possibilidades. A única coisa que desejava era paz. Paz e tranquilidade eram as únicas coisas que se podiam conseguir somente em Vancouver. Pelo menos, tinha um quarto alugado no motel aqui do lado. Lugar onde pudesse descansar e alimentar com frequência. Mas aquele noticiário de certo que me assustou. Estudantes haviam desaparecido assim do nada e a polícia não tinha quaisquer explicações para dar aos familiares preocupados. Deviam ter prestado mais atenção aos movimentos do parente que havia sumido, isso sem dúvida nenhuma.
Quase todas as conversas que ouvia com relutância ou eram sobre os mais secantes desportos ou eram sobre o facto Sobrenatural. Ouvia isto quase todos os dias. Antes fosse ouvir os discursos de moda ou as entrevistas aos políticos que lideravam o país. Dirigi-me até ao balcão e deixei lá 5 dólares, não me importando com o troco que ia receber. Saí rapidamente do café e dirigi-me para o motel. Por razões unívocas, a noite permanecia escura e sombria, como sempre ficava cada vez que no horizonte aparecia o anoitecer.
Puxei o fecho do casaco para cima, mas nem mesmo assim deixei de sentir o frio a percorrer-me o corpo todo. Mas senti que estava alguém perto fora do normal. Alguém não-humano. Algum vampyro talvez? Tendo em conta os recentes acontecimentos, nada mais me poderia surpreender. A minha vida era meramente monótona. Nada de interessante havia nela. Andava sempre isolada de tudo e todos para meu próprio bem. Calada para nunca ter de me meter em sarilhos ou com o medo de ser magoada por alguém.
Andava tão perdida nos meus pensamentos que até esbarrei contra alguém. Por sorte, não caí senão seria uma vergonha tremenda. Não levantei a cara para pedir desculpas, mas senti uma mão a segurar-me o braço, como se estivesse a ajudar-me. Num sussurro benevolente pude ouvir “Desculpa. Fui um bocado descuidado”. Apesar de a sua voz soar como uma doce melodia de inverno, não pude deixar de notar de onde viera. Pertencia a um rapaz, de certeza. Não quis criar complicações por isso ajeitei-me e voltei a seguir o caminho para o motel.
Quando cheguei, entrei no meu quarto o mais rápido possível e deitei-me na minha cama, ainda a pensar no que havia acontecido durante o dia. O sono andava constantemente a trocar-me as voltas, como se estivesse a dizer-me que o dia e a noite haviam sido alterados, mudando a ordem inversa do tempo. Esperava que Nyx me ajudasse a encontrar um sítio ao qual pudesse chamar casa. Não seria mesmo possível para mim ter algo assim tão precioso. Admirava os seres mitológicos, mas não imaginava que um dia me poderia converter num deles.
Mas o passado já não podia ser alterado. Apenas tinha que viver em conformidade com a decisão de Nyx em ter-me marcado. Encostei a minha cabeça à almofada e adormeci perante o conforto que ela me proporcionava, a pensar no que na minha vida poderia ser mudado: no presente ou no futuro. Mas o meu nome permanecia incógnito. E esse nome era Scarlett Parker.

Sem comentários: