http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Fanfic: The Girl With The Red Rose - Capitulo 6

Capitulo 6
Mariana

O que raio se passava comigo? O que aconteceu há pouco lá fora no pátio? Estava deitada na cama a dar voltas à cabeça. Talvez Joka tivesse razão e eu estava simplesmente abalada e cansada com o facto de ter sido marcada. Mas eu sei o que vi, aquela rapariga estava mesmo ali, ela esteve mesmo a falar comigo, mas quando tentei tocar-lhe… trespassei-a simplesmente, como se fosse mesmo um fantasma e tivesse mesmo morrido. Ah, estava a ficar com dores de cabeça, já deviam ser 4 da tarde, e ainda não conseguira pregar olho. Eu só queria ambientar-me, queria finalmente encontrar o meu lugar neste mundo, mas a única coisa que recebo são mais preocupações e uma marca diferente da dos outros.
Depois de muitas voltas dar na cama consegui finalmente adormecer e entrar no mundo dos sonhos.
****
Estava numa cela? Bem, os meus sonhos iam de mal a pior... As paredes eram feitas de pedra e já pareciam ter uns bons anos. Conseguia cheirar o cheiro a esgoto que me fez lágrimas nos olhos.
-Bah que nojo. – sacudi a mão à frente do nariz na tentativa de afastar aquele cheiro a podre. Vi as grades que serviam de porta para a cela e aproximei-me delas. Porque raio estava eu numa cela?
Olhei para fora da cela nauseabunda, existiam várias celas, parecia uma masmorra de um castelo com um corredor enorme. Um gato preto com uma rosa vermelha na boca aproximou-se das grades.
-O ALP! VEM AÍ O ALP! – ouvi uma voz feminina seguida por vários suspiros. O que raio era um Alp? O gato que estava à porta da minha cela transformou-se num homem, um homem realmente belo. Aquela beleza fez-me crescer água na boca. Abriu a porta da cela passando como se eu não estivesse ali, dirigiu-se até ao fundo da sala onde estava uma rapariga. (Como é que eu não a vi?) Ofereceu-lhe a rosa e beijou-a.
-Vem comigo minha querida, o mestre Kalona está ansioso por te ver. – sem hesitar a rapariga pegou na rosa e deu-lhe a mão. Quando se dirigiram à porta consegui finalmente ver a cara da rapariga. Fiquei completamente paralisada quando vi que era a Margarida.
-Margarida! Não podes ir! Vais morrer! - berrei tentando alcançá-la, mas como acontecera anteriormente a minha mão trespassou-a. Mas desta vez era diferente, nem ela nem o homem olharam para mim quando eu berrei. Parecia que eles não me viam, como se eu não estivesse ali. Fiz um movimento tão brusco em direcção às grades, que só tive tempo de me inclinar para o lado, mas ao invés de embater nas grades passei por dentro delas como um fantasma. Virei-me para dentro da cela, ficando a olhar estupefacta para as minhas mãos. Como podia isto ser possível? Tudo bem que eu estava a sonhar, mas há menos de duas hora quando ainda estava acordada aconteceu-me o mesmo com a Margarida, e Joka não vira rigorosamente nada. Virei-me novamente para o corredor para avisar Margarida do perigo que ela corria. Corri atrás dela, desta vez não tentei sequer abrir a porta pela qual eles entraram, limitei-me a passar através dela. Fiquei estupefacta ao ver a magnífica criatura que ali estava, era um anjo! Um anjo com majestosas asas pretas, caí de joelhos perante ele. Fora um acto involuntário, os meus joelhos simplesmente cederam. Ele tinha Margarida nos braços, envolvendo-a com as suas grandes asas negras.
-Entregas-te a mim? – a voz do anjo era tão doce…
-Sim! – Margarida não hesitou em responder-lhe.
-Entregas-me teu corpo e alma meu amor?
-Sim, corpo e alma… Depois só consegui ouvir margarida gemer e estremecer ligeiramente.
Poucos segundo depois o anjo segurou-a nos braços, ela estava branca como a cal da parede e a marca que jazia na sua testa perdera toda a cor ficando negra. Ela estava morta, morrera mesmo. A angústia que senti foi tanta que finalmente acordei.
*****
Acordei em pânico, estava completamente suada. Afastei os cobertores e sentei-me na cama levando as mãos à cabeça. Eu não estava bem, não estava nada, nada bem. Mas que raio se estava a passar comigo? Quando dei por mim estava a chorar.
-Tem calma, tem calma nada disto foi real, foi só um pesadelo. – tentei convencer-me a mim própria de que estava tudo bem. Senti uma pesada respiração vir da cadeira que estava ao lado da minha cama. Virei-me ligeiramente para o lado. Era a Margarida que estava sentada na cadeira, segurava a rosa enquanto olhava para mim.
-Não foi nenhum pesadelo. Não querias saber como tinha morrido? Pronto, agora já sabes. – não conseguia olhar para ela, levei as mãos à cara para reprimir o choro. Eu estava a ficar com medo. Nunca acreditei que fosse possível ver os mortos, mas também nunca pensei tornar-me uma iniciada vampyra. Margarida sentou-se na minha cama e ficou a olhar para mim.
-Por favor, vai-te embora! Deixa-me, tu não estás aqui, és só fruto da minha imaginação! Desaparece! – estava a ficar desesperada, já não sabia como ligar com esta situação.
-Tu é que pediste para eu te contar o que se tinha passado comigo, eu só te mostrei. E nem penses que me vou embora, já não falo com ninguém vivo desde que morri! E aposto que os outros também vão querer falar contigo, és a única maneira que temos para falar com os vivos…. – interrompi-a.
-OUTROS!? Mas que outros? Estás a dizer-me que há mais iguais a ti?
-Claro que sim. Ou achavas que eu era a única? Alô? Lembra-te que estas na casa da noite, aqui morrem iniciados todos os dias.
-Mas eu só te vi a ti! – comecei a entrar em pânico.
-Pois, mas se eu tivesse passado por ti num corredor? Terias-te apercebido de que os outros não me vêem? Há muitos iniciados que não conseguem ir ter com Nyx quando morrem. E ficam aqui na casa da Noite por algum motivo.
-Mas porque ficas-te tu aqui?
-Só aqui estou porque perdi metade da alma. Deixei-me encantar por Kalona, e ele ficou-me com metade da alma. Só vai ter com Nyx quem morreu por não passar pela mudança. Oh Mariana, estou tão feliz por Nyx te ter finalmente enviado, o teu dom vai salvar-nos!
-O meu dom? – limpei as lágrimas e franzi-lhe o sobrolho.
-Claro tonta! Ou pensas que todos andam para aí a falar com os mortos?
-Não, mas porquê eu? Logo agora que eu estava a começar a gostar da minha nova vida, só cá estou há um dia e já está completamente virada de pernas para o ar.

2 comentários:

Ana disse...

Adorei! Como sempre *-*
Estou ansiosa pelo próximo capítulo!

Bjs

Marta :) disse...

Obrigada :)) bj