http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Fanfic: Forgiven - 20º Capitulo

- Ai Stevie Rae ajuda-me!
- Z, não sei mesmo que te dizer
- Considero isso o ponto alto do meu dia – deitei-me na minha cama
Só queria acabar com esta sessão de problemas desta manhã e descansar
- Olha lá, quando é que te vais encontrar com o Heath?
- Não sei… Se tu soubesses o quanto foi para mim não lhe rasgar a pele do pescoço e beber-lhe o sangue! Ele encostou-me mesmo a cara ao pescoço… - mordi o um lábio a pensar em como queria (e quero) beber dele outra vez
- Ele deve estar mesmo desesperado, Z
- Anda a implorar a Nyx que o marque
- Não posso!
- Pois é… - eu ia continuar a falar com ela se não tivessem feito um barulho na porta
- Quem é? – Perguntei. O gatinho cinzento apareceu pela portinha dos gatos e enroscou-se no meu colo – Stevie Rae apresento-te o Loren Blake – disse coçando a cabecinha de gato de Loren
- ‘Tá visto. Deves ter batido com a cabeça quando adormeceste! – Loren levantou-se do meu colo e foi até à casa de banho, cuja porta estava entreaberta, depois saiu de lá como o vampyro mais lindo à face da Terra
- Quem é que bateu com a cabeça? – perguntou Loren
- Oh senhores! Queres ver que isto de ser vampyra vermelha tem consequências? Estou a ver coisas… - disse Stevie Rae
- Hum, caso não te lembres, eu também sou vampyro vermelho
- Pois, eu tenho visões que o Loren se transforma em gato; o Loren transforma-se em gato… Espera, isto não soa lá muito bem… Que tal explicares, Z? - ela coçou os seus caracóis curtos
- Muito bem, lembras-te de quando curámos o Loren de novo? Bem, não fomos bem nós, foi Nyx, mas passando à frente, eu acabei com o Erik, e… - senti as lágrimas formarem-se nos meus olhos, acto contínuo esfreguei-os – e eu estava sentada na árvore a chorar quando me apareceu o Loren à frente, em forma de gato. Se o vires por aí, vira-lhe a pata da frente e vês raios vermelhos tatuados
- Hey, Zoey, eu acho que não tenho patas, oficialmente são mãos, vês? Cinco dedos em cada uma das duas mãos?... – ele mexeu todos os dedos das duas mãos ilustrando o que dizia
- Bem, quando eu o vi entrar tinha quatro patas… - Disse Stevie Rae
- Pois, muito bem, este assunto de mãos/patas é discutível – ele pões as mãos nos bolsos e sentou-se na cadeira da minha secretária – mas estou cá com a minha metade gato para poder proteger a Zoey do que eventualmente for perigo para ela
- Acho que ele se está a referir a alguém, oh, não vou dizer nomes, Neferet… - disse eu
- Hum, pois, é muito bom estar aqui, mas a mim parece-me que estou um bocado a mais
- Espera só mais uns segundos, porque é que estás aqui?
- Bem, ninguém sabia como te acordar e também eu tinha que dar umas palavrinhas à senhora dona Neferet… eh eh, senhora dona… pois claro… - ela riu-se – e quando me viram passar lá em baixo chamaram-me, e sabes, em Henrietta, a minha mãe costumava usar esse método para me tirar da cama de manhã cedo aos fins de semana, já viste?, levantares-te às seis num sábado… ‘senhoooores’!, que massacre… - eu ri-me do sotaque cerrado de Stevie Rae, e Loren fez o mesmo
- Hum…, não podias ter aquecido ao menos a água? – perguntei
- Dizem que se alguém durante o sono se molha com água morna faz chichi nas cama – ela disse com ar inocente
- Já te disse como adoro água gelada? – eu dei um sorriso mesmo grande de olhos esbugalhados
Todos nos rimos
- Bem, agora vou mesmo, não quero segurar a vela, mas estou lá em baixo mais um bocado se precisares que eu te console ou que saiba das últimas novidades quentinhas do que se possa vir a passar nos próximos minutos, horas… - eu semicerrei os olhos para ela – e Loren, veja lá se não faz a Zoey em cacos, que ontem fui visitar a minha mãezinha, e ela obrigou-me a varrer a sala, a cozinha e o galinheiro e já estou com ‘vassourofobia’ - ela saiu e eu ri-me. A minha melhor amiga era mesmo campónia…
- Muito bem, parece-me que somos só nós dois, aqui, num quarto…
- Nem penses nisso…
- Muito bem
- Então porque é que apareceste assim esta manhã? Quer dizer, seria mais discreto se aparecesses com quatro patas – sublinhei ‘patas’
- Bem, com patas não podia fazer isto – ele levantou-se da cadeira e dirigiu-se a mim; puxou-me o braço para que eu me levantasse e depois fez com que o meu corpo se colasse ao dele. Aproximou a sua cara da minha e pude sentir a sua respiração na minha testa. Eu fechei os olhos, a tentar ganhar coragem para sair daquele abraço. Respirei fundo umas três vezes e esgueirei-me por baixo dos seus braços
- Então?
- Então, nada Loren! Raios! Está aqui uma pessoa, independentemente da espécie, a tentar resolver problemas de ex-namorados, e tu ainda me vens com coisas dessas… Mas este dia nunca mais acaba? Quer dizer, quase que me deixo beber outra vez do Heath – Loren fez uma careta – Não chego a falar com o Erik, tenho um galo na cabeça por ter batido com ela quando adormeci ainda há bocado e agora estás numa tentativa de me saltar para cima?
- Pronto, pronto, já vi que estás muito sensível hoje, querida
- Só Zoey. E com a manhã que estou a ter não é para mais, mas diz lá porque é que querias mesmo vir falar comigo com mãos em vez de patas?
Ele não disse nada, aproximou-se de mim – Já te disse, mas não me deixaste acabar – ele pegou no meu rosto e colou os seus lábios ao meu pescoço, dando beijinhos rápidos e descendo para o ombro. Okay. Muito provavelmente eu e ele acabaríamos os dois na minha cama, despidos, com a porta destrancada, à mercê de quem desejasse ser inoportuno, pois, e disso não faltava cá. E não era isso que eu queria. Gostava mais de Loren como meu gato (de quatro patas) guarda-costas, e ficara mesmo ralada com a cena de Heath, para além de que acabara com o Erik ontem!
- Espera – disse eu. Apostava a minha mala preferida em como as Gémeas estavam atrás da porta à espera de decidir se entravam ou não. Loren deu-me um beijo na testa e libertou-me (felizmente). Eu dirigi-me à porta e abri-a. Lá estavam elas as duas a discutirem sobre se entravam ou não, ou se entrassem se iam ver o rabo do Loren. Eu ri-me e só quando se ouviu o meu riso elas repararam que eu estava ali
- Z desculpa, não te queremos incomodar, nem nada…
-Apesar de desejarmos por tudo estar no teu lugar – Erin interrompeu, erguendo as sobrancelhas sugestivamente
- Mas faz-se tarde e aqui esta gente tem de se alimentar de comida e não de, bem marmelada…
- Hum… Primeiro não estava na marmelada – ‘bem… mais ou menos, eu não estava a beijar ninguém ele é que me estava a beijar’ – Segundo, desço já – Fechei a porta atrás de mim
- Tenho de ir
- Sabes que não vou desistir de ti não sabes Zoey? – Loren beijou-me a face fazendo subir o sangue às minhas maçãs do rosto, e colocando uma colecção de borboletas vivas no meu baixo-ventre
- Loren… Por favor… Aquilo que aconteceu entre nós acabou. Sinceramente gosto mais de ti como meu guarda costas e não como namorado ou coisa assim… Neste momento o que eu preciso é de um amigo… - disse – Não de alguém para namorar… - sussurrei a pensar no Erik
- Pronto, Não tenho mesmo hipótese pois não bebé? – abanei a cabeça. Ele suspirou – Adoro-te – abraçou-me, depois saiu do meu quarto.
Enquanto ia escadas abaixo fazia uma lista do que tinha acontecido naquela manhã
Ponto nº 1 – prometi encontrar-me com o Heath, o que provavelmente ia dizer que voltaria a beber dele, para além de estar seriamente preocupada com o seu estado de saúde
Ponto nº 2 – Não cheguei a falar com o Erik
Ponto nº 3 – O que era aquele lugar onde a minha mente foi vaguear?
Ponto nº 4 – Loren e eu tínhamos ficado só amigos e com as coisas esclarecidas. O que significa: ponto 4.1 – Menos um namorado intermitente
Ponto nº 5 – Tinha uma grande dor de cabeça
- Estava a ver que nunca mais! Credo, senhores! Demoraste tanto tempo! – disse Stevie Rae – então qual das duas hipóteses? – ela referia-se ao ‘ou estar de rastos, ou estar nas nuvens’
- Hum… sinceramente, uma dor de cabeça terrível, paciência esgotada, fome, e necessidade da minha cola
- É sempre bom, o habitual não é? Olha Z, malta, eu tenho de me ir embora, daqui a algumas horas amanhece e eu não posso apanhar sol se não quero torrar, literalmente, para além de que estava a pensar em ir às compras numas lojas que estão sempre abertas na baixa – eu abracei a minha melhor amiga, como todos os outros na sala. Depois, quando ela saiu, fomos até à sala de jantar para comermos o nosso almoço

2 comentários:

Anónimo disse...

ADORO! ADORO! ADORO! Tá fantastico!!!!!

RiTuXa disse...

esta fic tá cada vez melhor!!! Continua!!!