http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Fanfic: Forgiven - Capitulo 9

- Zoey? Estás acordada? Zoey? – a voz de Shaunee ouviu-se tão de repente que estremeci e me sentei na cama a ofegar.
- Zoey estás bem? – Erin parecia preocupada
- Zoey, responde-nos, não estás a morrer pois não?
- Não credo. Foi só… falei com a minha Mãe, com a minha Avó e com o Heath. E vocês assustaram-me!
Olhei para o relógio – eram oito da noite. E sentia-me cansada. Estava mesmo a precisar de descansar.
- Ainda estamos de férias certo?
- Sim, sim, quer dizer estão canceladas mas não temos aulas… Não interessa, tens de comer, vá levanta-te, ou ainda pões esse rabo quadrado… - Começou Erin
- E vai-te arranjar… já chega de preguiça hoje não? – Acrescentou Shaunee
- Pois, pois… O que preciso é dos meus Conde Chocula.
- Miauf! – Nala levantou-se da minha cama e saiu.
Era estranha aquela gatinha, mas todos os gatos são, não é verdade?
- Não liguem, queixumes matinais. – disse para quebrar o ambiente.
- Ou então queixumes que vão durar o dia todo! – Implicou Shaunee.
- Idem, idem, aspas, aspas Gémea! – Disse Erin.
Passada uma meia hora estava pronta.
- Vamos? Os cereais estão a chamar por mim! – disse espevitada.
- Essa tua obsessão por cereais é… - Foi a vez de Erin falar.
- Minimamente estranha. – finalizou Shaunee.
- Pois, pois… Há quem goste. – Arrepiei-me; de repente lembrei-me de Heath, de Loren também, e Erik… e tudo…
- Zoey? Olá??? Estás a ouvir-nos?
- Hã? Desculpem estava… estava a pensar no Heath, e no Loren, e no Erik… Vamos?
Não lhes dei tempo de responder. Desci até à cozinha com uma rapidez espantosa. Peguei numa taça, numa colher, e na caixa de Conde Chocula, e fui-me pôr ao pé da nossa televisão preferida, a devorar os meus cereais.
Estava a dar uma repetição do Project Runway, o que fez as Gémeas absortas de tudo! Nem repararam quando o Damien e o Jack entraram de mãos dadas.
-Olá!
- Olá Z. Estás melhor? – Perguntou Damien
- Sim está tudo bem. – e sorri. Não só para eles mas porque tinha acabado de ver o Erik entrar. “Tenho de me deixar disto, tenho de me afastar, tenho de acabar com ele, de vez…” Pensei
- Chiu! – Ripostou Erin
- Pois, nós queremos ver televisão, okay? – acrescentou Shaunee rabugenta.
- Hum, okay, rabugentas! E depois ainda falam da Nala! – Disse eu, com ar ofendido.
- Hum… Olá… - A voz de Erik era como uma melodia doce para os meus ouvidos, e lembrei-me que ele já era vampyro adulto, mas ainda estava aqui, o que me parecia estranho. E tinha de o evitar um pouco mais. Decidi ir falar com Neferet, por muito que me custasse.
- Olá! – disse – E adeus. Tenho de ir falar com a Neferet.
Isto até deixou as Gémeas a olharem para mim embasbacadas. E assimilei o que tinha dito.
- Tenho umas coisinhas para lhe perguntar. Mas descansem! Eu volto, e viva!
A mão forte de Erik agarrou-me quando passei por ele, e por momentos desejei que ele me beijasse, ali, à frente de todos. – Tens a certeza disso?
- Eu disse que voltava e viva não disse? Nós não somos perdidas de amores uma pela outra, mas acho que fico bem, visto que me consigo pôr invisível, consigo arder, e assim…
- Eu vou contigo. – disse ele
- Não. Tenho de fazer isto sozinha.
E soltei-me do braço dele. Fui logo direitinha à sala dela, não queria perder tempo nenhum.
Quase estive para me beliscar a mim mesma com toda a força que tinha. Num acto inteligente (e na hora certa) deixei-me ficar invisível, mesmo quando ele se virou.
Isso só podia querer dizer que a Neferet levantou o sortilégio sem avisar. Mas o que é que ele estava aqui a fazer?
Vi-o bater na porta de Neferet e depois entrar. Deixei-me ficar ali, até eles saírem e se dirigirem para o quarto dela. Como é que ele pode estar a fazer isto à minha mãe? Como é que o traste de merda do Jonh Heffer pode estar a trair a minha mãe com a Neferet e a matar vampyros? Oh… Ele vai pagá-las. Afastei-me da porta a tempo de não ver o Jonh e a Neferet a comerem-se D-E-S-C-A-R-A-D-A-M-E-N-T-E, e voltei para junto do gabinete dela, que tinha a porta entreaberta. Entrei e voltei a sair, pois Erik tinha decidido ficar feito guarda à porta.

Sem comentários: