http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Fanfic: Sangue Cruzado - Capitulo 5



CAPÍTULO CINCO
Mal podia acreditar no que ele dissera. As palavras saíram da sua boca com tanta facilidade que até parecia não se importar com a reacção que eu teria. A minha respiração estava fraca e as pernas, embora andassem com normalidade, estavam petrificadas. O medo apoderara-se de mim. Aquele sujeito era um vampiro grande e assustadoramente arrepiante, embora fosse bonito e encantador.
- Então…o que é que tu és afinal? – Perguntou gentilmente. – Humana não és de certeza.
Tinha medo de dizer algo que o irritasse. Não consegui sequer pensar nas palavras certas. Ganhei coragem, sabe-se lá como, para apenas lhe dizer que fora marcada por vampyro caça-cabeças e que estava a passar por uma espécie de mudança em que ou passaria para vampyra adulta ou se o meu corpo a rejeitasse, morreria de certeza absoluta. Porém, ele informou-me que com ele era diferente. Ele havia sido transformado por alguém que apenas conhecia como “ela” e que era amigo de um tal Riley, mas que este acabou por se revelar o oposto do que ele havia pensado.
Contou-me também que era um vampiro nómada (ou seja, um vampiro recém-nascido). Havia sido transformado apenas para participar numa guerra sem sentido nenhum, que era apenas uma marioneta nas mãos do tal Riley e da “ela”. Não quis participar naquilo e veio embora. Mas antes de o fazer, foi ter com uma das suas amigas vampiras, a Bree, e perguntou-lhe se queria ir com ele explorar o mundo que ainda não haviam visto. Ela apenas referiu que tinha de encontrar uma pessoa amiga antes de ir e ele disse-lhe que esperava por ela em Vancouver 1 dia, deixando-lhe um rasto em Riley Parle. E mais nada me havia dito.
Parecia esconder mais qualquer coisa, mas também não insisti muito. Parecia custar-lhe muito falar sobre aquele assunto. Comecei a dirigir-me para o motel onde eu estava hospedada mas ele continuava a seguir-me, nunca se separando de mim. Por um momento, senti-me vigiada e que me alguém me perseguia. Com o seu olhar fixo em mim até corei ligeiro nas bochechas, ficando um pouco rosadas nos dois minutos a seguir.
Entramos no motel e o recepcionista nem sequer olhou para nós. Ficou a olhar para o ecrã da pequena televisão que estava em cima da sua secretária, com um pacote de batatas nas pernas e umas poucas espalhadas pelos cantos, acabando por cair no chão cada vez que ele mexia o braço para alguma coisa. Dava um mau aspecto a quem visse o motel do lado de fora, mas o problema era dele. Pelo menos, os quartos são de boa qualidade apesar daquela amostra de gente não o ser. Entrei no meu quarto e mesmo antes de fechar a porta, o vampiro meteu um pé entre a porta e o fecho.
- Boa noite. – Disse, com ar inocente.
Fios do seu cabelo cobriam metade da sua testa, dando-lhe um aspecto brilhante e encantador. Observou-me atentamente e sorriu-me, mostrando os lábios perfeitamente definidos. Fiquei irrequieta por momentos, tendo a minha pulsação acelerada indefinidamente.
- Boa noite. – Respondi da mesma forma.
- Com isto tudo, ainda não sei o teu nome. – Soltou um pequeno riso.
Tinha que pensar se devia mesmo dizer-lhe ou não. Ele era vampiro, embora fosse diferente da minha espécie de vampyros. Vai dar tudo ao mesmo por isso nem vale a pena estar a trazer aquele pensamento ao de cima. Em voz sussurrante, disse-lhe o meu nome. Em resposta ele dissera-me o seu, mas de uma forma que eu achava incrivelmente sedutora: Fred.
Vi-o entrar no terceiro quarto ao lado do meu. Deveria estar também hospedado aqui. – Pensei eu. Mas também nunca o vira entrar. Parecia tal e qual como tinha acontecido no Monsuit e na recepção do motel. Ninguém nos viu, nem nos fez caso. Ignoraram-nos completamente, como se nem estivéssemos estado lá. Fechei a porta e encostei-me a ela, refugiando-me nos meus pensamentos. Parecia que já tinha conhecido o Fred há imenso tempo quando na verdade só o conhecera hoje.
Deitei-me na minha cama, aconchegando a minha cabeça a macia camada de algodão da almofada. Senti todos os momentos de hoje a esvoaçarem como pequenos pássaros em liberdade, prontos a sair e a sibilarem o seu canto natural. O entrar no café, a desconfiança dele, a conversa fora do café, o motel, tudo. Não esquecera nada. Tudo tinha ficado retido nas minhas pequenas e insignificantes memórias. Não pretendia que ficassem resguardadas num canto inferior qualquer à espera que o escuro do vazio as engolisse. Ficavam guardadas como simples fotografias. Belas e frágeis ao mesmo tempo.
Adormeci pouco tempo depois e a imagem do Fred não me saía da cabeça. O seu cabelo loiro, os olhos assustadoramente vermelhos de sangue, o seu sorriso…Não sabia porquê, mas estava a sentir-me estranha e um pouco esquisita. Devia ser imaginação minha. Esqueci aquilo tudo e aprofundei-me no meu sono. Já deviam ser 3 e pouco da manhã, mas também decidi não dar muita importância às horas. Calei os meus pensamentos e deixei-me levar pelo sono que me consumia.

1 comentário:

Ana disse...

Olá (:
Primeiro parabens pela fic comecei a ler desde que a postaram no blog e realmente acho que vai e esta a ser uma historia interessante...
Não quero que levem a mal so que com este capitulo, a fic ficou mesmo muito ao estilo twilight saga:Eclipse, sim eu sou uma twilighter e tambem adoro os livros da casa da noite...
Talvez apos terem lido isto perguntam o porque de eu dizer ao estilo twilight, bem no eclipse a victoria (uma vampira, a má da fita)usa um outro vampiro de nome riley para formar um exercito de vampiros "recem-nascidos", pois sao mais fortes no entanto esses mesmos vampiros nao conhecem a victoria, sabem tambem apenas que é uma ela, pois ela encobre-se em riley tal como nesta fic..
Neste capitulo até as expressoes sao iguais as do livro e filme eclipse como "sua marioneta", depois em eclipse ha tambem uma vampira de nome bree, que é a recem-nascida na qual ha mais importancia e ate a autora da saga lançou um livro no verao passado com o nome "a segunda e curta vida de bree turner", a localização da fic, "vancouver" é igual, os vampiros nomadas tal como em twilight por fim em eclipse quando jasper (nao sei se sabem a historia) conta a sua vida (pois ele foi criado tambem para um exercito para uma guerra) ele fugiu e encontrou-se com um amigo que tambem fugira porque nao queria aquela guerra foi atras de uma maneira de vida diferente, bem e tambem o promenor dos olhos vermelhos em twilight os vampiros que bebem sangue humano teem os olhos vermelhos...
Com este comentario nao pretendo humilhar, rebaixar ou algo semelhante porque ate quero ver mais como se desenrola a historia, apenas fiquei um pouco chocada com tantas parcenças (: