http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Extras de Loren Blake

Oi gente. Olhem, hoje só vos posso dar este pedacinho mas dou o resto o mais depreca que conceguir ok? Parte 3.1 Foi realmente difícil o tempo em que me tive que me ausentar da Casa da Noite. Principalmente porque não conseguia tirar a Zoey da cabeça. Vinha-me constantementa à memória o tempo em que estive com ela debaixo da árvore. Nós quase nos beijamos. Eu pude sentir o seu hálito na minha língua e o seu cheiro no meu nariz. Até nos sonhos eu a beijo. Neferet enviou-me uma mensagem para o telemóvel a avisar-me que o aniversário da Zoey estava a chegar e para eu comprar o presente. Estava particularmente ansioso para “continuar com o plano”. Assim que cheguei fui à sua procura. Primeiro fui à biblioteca, onde geralmente a encontro. Ninguém estava lá além da recepcionista. Resolvi procurar perto da árvore. Não precisei chegar tão longe. Ela estava perto da estátua de Nyx na marmelada com Erik Night. A mão dele estava por dentro da sua camisola, o que evidenciava o quão escaldante se estava a tornar. Um rugido apareceu na minha cabeça, ciúmes eu estava cego de ciúmes. Zoey é minha, eu queria gritar, mas na verdade não era. - Uhhum! – arranhei a garganta. Pelo sorrisinho de Erik, já me estava a conciderar um rival. Percebeu o meu interesse pela Zoey, só espero que ela também tenha percebido. - Desculpe professor Blake. Pensei que estivéssemos sozinhos. Zoey ficou extremamente sem graça pelo vermelho que se espalhou no seu rosto. - Pensei que estivesse na Europa – gaguejou. - Estava. Cheguei esta noite. – respondi. - Como foram as coisas na Europa? – Erik disse, colocando o braço possessivamente à sua volta. O que me fez precisar de um enorme controlo para conseguir dizer: - As pessoas não são tão simpáticas como as daqui. - Sem enfiar minha mão na tua cara, meter a Zoey às costas e levá-la para bem longe como se fosse um homem das cavernas. - A questão não é onde se vai, mas quem se está. –a provocar-me. A luta pela posse da mulher era clara. Só que quem estava com ela era ele e não eu. - É óbvio. Consegui dizer. - É o aniversário da Zoey, estamos a tratar do beijo de parabéns. – como se eu não soubesse. – Sabe que a Z e eu estamos juntos. – eu pensei: por pouco tempo, por muito pouco tempo. - Sim, ouvi dizer que vocês estão juntos. A minha voz saiu meio estrangulada. – Tens um bocadinho de sangue aí, Zoey. – apontando para a sua boca. - Provavelmente é melhor limpares. – quis provocar e ela ficou ainda mais vermelha. - Tenho que ir. Ah, e feliz aniversário. Fui para o meu loft com raiva e ciúmes. O que era a primeira vez. Eu nunca fui possessivo com ninguém com quem fiquei. Não havia outra saída, estava perdidamente apaixonado por ela. Quando cheguei Neferet estava à minha espera. - Então como foi o seu encontro com a Zoey e o Erik? – disse, assim que cheguei. - Bem. – respondi friamente. - Espera ai... estás com ciúmes não estás? De mim nunca tiveste ciúmes... O que eu acho bom, mas... Estás apaixonado por ela. – ela disse isso não com ciúmes, mas com aprovação. E uma sensação que tive disse-me para proteger a Zoey a todo custo. Pus-me em modo operacional vigarista. - Querida, como assim não tenho ciúmes de ti?! Tu és minha querida. Aprocimei-me, beijei o seu pescoço no lugar que eu sabia que ela gostava e levei-a para a cama. – Se eu tivesse apaixonado pela Zoey, não poderia fazer estas coisas tão boas comtigo minha querida, a minha religião não iria permitir. Ela riu-se e a tormenta passou. Passámos o dia juntos e no começo da noite fui à caça da Zoey outra vez. Por sorte desta vez ela estava na biblioteca. - A combater o Mal, hum? – falei com um tom de brincadeira, mas na verdade fez-me ficar preocupado por ela estar atrás deste tipo de informação. O que será que estava a acontecer com ela. Eu queria que me contasse, para poder ajudá-la. Só de pensar nela a passar por algum perigo arrepiava-me todo. Nunca ive esta necessidade de proteger alguém. - Sabe como eu sou. Gosto de estar preparada. – ela tentou despistar a voz, mas não me enganou. - Estás à espera de algum ataque maligno? - Não. – falou rápido de mais. – Bem, dois meses atrás ninguém estava à espera que a Afrodite perdesse o controlo de um monte de espíritos vampyros sugadores de sangue, mas aconteceu. Então pensei que seria melhor prevenir do que remediar. – ela estava a tentar despistar-me mas eu precebi, ainda não confiava em mim. Algo estava a acontecer com ela. Conquistaria a sua confiança e contar-me-ia. - Acho que faz sentido. Então não estás a preparar-te para nada específico? – pressionei. - Não. Estou apenas a tentar fazer um bom trabalho como líder das Filhas das Trevas. - Eu dei uma olhadela au livro em que estava interessada. - Sabes que estes rituais são só para vampyros adultos, não sabes? Quando um novato adoece, infelizmente, a razão é só uma. É porque o corpo dele ou dela está a rejeitar a mudança e depois vem a morte. Não estás a sentir-te doente, pois não? – deu-me um medo infernal de perdê-la para a Mudança, depois pensei bem e percebi que ela realmente sabia alguma coisa sobre os mortos-vivos. Isso não era bom, se Neferet soubesse ia apretar a sua vigilância ainda mais. - Ah, meu Deus não! Estou ótima. É só bem... É constrangedor admitir, mas pensei em estudar mais para quando eu me tornar uma Grande Sumo-Sacerdotiza. – sorri talvez eu estivesse a exagerar, provavelmente ela não sabia de nada, como poderia saber? - Por que é que isso seria constrangedor de admitir? Eu nunca pensei que fosses uma dessas mulheres tolas que acham que ler e estudar bastante seria algum tipo de constrangimento. - Ah, não é nada disso. – ela ficou com as bochechas rosadas. – É constrangedor porque parece presunção dar como certo que serei Grande Sumo-Sacerdotisa um dia. – era modesta, mais uma razão para ser uma Grande Sumo-Sacerdotisa no futuro. - Nyx escolhe sempre acertadamente. Acho que pensares isso é apenas bom senso e uma compreensível autoconfiança... Sempre senti atração por mulheres mais seguras. – O que era completamente verdade o que me atraiu em Neferet foi isso mesmo. Os nossos olhos encontraram-se e pareceu que passavam faíscas entre nós. - Não fazes ideia de como é especial pori não Zoey? Tu é única. Não és como o resto dos calouros. Hum... esta história está mesmo a aquecer :P Que Nyx vos acompanhe :)

2 comentários:

Anónimo disse...

AI que má, agora que estava a aquecer... :p

Sara S. disse...

Lol :)
da próxima vez que escrever meto logo um capitulo inteiro pode ser? :D