http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

Conselhos para autores iniciados

Feliz encontro Filhas e Filhos das Trevas!

Primeiro quero começar por pedir desculpa pela a minha perlongada ausência, foram uns dias complicados que eu espero já terem passado :)
Hoje trago-vos a tradução de um post realizado pela P.C. Cast no seu blog sobre como seres um autor. Aqui vai:

"1- Se queres ser um autor profissional precisas de encarar esta carreira como qualquer outra. Pesquisa a profissão de escritor. Podes começar por ler : "Bird by bird" de Anne Lamott, "How to get happily published" de Judith Appelbaum, "The writers market" e "The agents market". Ignora a ideia romatizada que diz que ser um autor é algo de mágico e mistico - que te encostas enquanto esperas que a tua musa te sussure ao ouvido, ou que os teus sonhos te illuminem, e assim tornas-te um receptor onde todas as histórias passam. Urgh. Ser autor é uma profissão. Escrever é trabalho. Ponto final.

2- Por falar em trabalho - por favor, lembra-te que tudo o que escreves representa-te a ti. Ninguém vai corrigir os teus erros gramaticais, pontuação ou a tua escrita. Isso não é trabalho do teu editor. O teu editor está lá para te guiar e ao teu já bem escrito manuscrito para o melhor que poderá ser, e não para ser  um treinador medicinal de escrita. Tens de trabalhar nos mecanismos da escrita e ser o mais perfeito possivel ANTES de entregares o teu trabalho a um editor ou agente. A escrita conta! Até nos emails. Torna-te consciente disso ou ninguém te levará a sério.

3- O que faço para ultrapassar o bloqueio artistico? Resposta: eu não acretido nisso! Outra vez, ser escritor é uma profissão. Quando eu era professora houve muitos dias que eu não me sentia particularmente disposta em aparecer na escola e ensinar 100+ adolescentes, mas era o meu emprego e eu tinha que o fazer (e fazia bem) quer sentisse que estava num dia bom ou não. Isso é o que a escrita é também. Em alguns dias é um prazer ser autor, noutros é extremamente dificil. Na verdade, na maioria dos dias é extremamente dificil. Mas eu escrevo quer esteja brisa ou a passar pela lama, e também serás assim se fores realmente um escritor.

4- Como é que fico inspirado para escrever? Outra vez, é o meu emprego. Tenho contractos e contas para pagar. É o que eu faço para viver. Sim, eu adoro criar mundos e contar histórias. Acredito que as pessoas são mais felizes a fazer aquilo que gostam - e eu gosto de contar histórias. Isso não significa que seja fácil. A minha inspiração é parte pesquisa, parte imaginação e parte da boa e antiga forma de trabalho. Se estás continuamente a chegar a um beco sem saida no teu trabalho, talvez precises de contar uma história diferente ou talvez a escrita não seja para ti. Eu quis ser veternária, mas quando fiquei consciente em relação a uma carreira eu percebi que não gostava de lidar com parasitas e excrementos, por isso, mesmo pensando que ser veternária seja uma boa ideia, na verdade não era o trabalho ideal para mim.

5- Deverias pedir-me (ou a qualquer outro autor publicado) para ler o teu trabalho em processo, ideia, sumário, poesia, etc.? NÃO, ok - aqui vai a verdade: não é outro autor que te pode publicar. Agentes e editoras podem. Concentra-te neles. Ah, e quanto ao deixares imensas pessoas lerem o teu trabalho enquanto o escreves - o meu conselho é NÃO DEIXES. Se necessitas de opinião vai ter a um grupo de escritores ou a uma turma de escrita criativa, os dois ou cada um poderás encontrar se pesquisares na internet. Sinceramente, se estás tão inseguro em relação à tua escrita e precisas de opinião de outros pata te dizerem que escreves bem, então provavelmente precisas de escolher outra carreira. Autores profissionais são resistentes e persistentes. Se conseguires ser publicado irás precisar de ter costas largas e pele grossa porque é como pôr uma criança tua lá fora para todos puderem disparar, e sim, irão criar buracos no teu bébé. Por isso, se não acreditares em ti próprio antes de seres publicado eu saíria a gritar por atentado à escrita como profissão.

6- Que fique registado - não, eu não leio trabalhos que não tenham sido publicados. Primeiro, eu não consigo ler o teu trabalho e mesmo assim ter tempo para escrever o meu. Segundo, a minha opinião não conta para nada. Não sou eu que vos publico.

7- Como consegues ser publicado? Isso é uma questão que precisas de pesquisar e trabalhar tu mesmo. Aqui vai o que importa: não irias entrar por um consultório dentário a dentro e dizer "Olá, eu quero ser dentista, por isso podes-me dizer como usar a broca no dente daquele rapaz e deixar-me faze-lo?" É a mesma coisa sobre ser autor. Eu não te posso dizer como escrever um livro. Essas são coisas que precisas de pesquisar por ti mesmo.

8- Como é que começas a escrever? Apenas ESCREVE. Às vezes fazer um esboço ajuda. Às vezes desenhar um gráfico ajuda. Mais cedo ou mais tarde tudo se resume à escrita. Não existe um comprimido mágico que faz tudo acontecer de repente. Lê muito. Escreve muito. Isso é tudo o que podes fazer. E há alguma idade que seja demasiado cedo para começar a escrever? Claro que não! Eu escrevi o meu primeiro livro na primária. Não é sobre a idade, é sobre o talento, energia e persistencia. Adolescentes: sim, podem começar a tentar ter o vosso trabalho publicado! MAS façam o vosso trabalho de casa primeiro. Saibam tudo sobre o formato de um manuscrito, como é que um livro é publicado (por uma verdadeira editora, o que significa, aqueles que te pagam e não o contrário). Percebe o papel de um agente no processo. Melhora as tuas capacidades. A seguir, força nisso!

9- Vai a uma sessão de autografos de autores, e compra livros assinados por alguém com vida e emoção. Não perguntes nada ao autor, simplesmente vai. Isso constroi um bom Karma e ajuda a suportar a carreira que queres seguir.

10- Nunca faças downloud de uma cópia pirata de um livro. Isso é roubar ao autor e à sua editora. Sim. É verdadeiramente mau karma. Ou queres ser publicado ou não queres. Se não podes comprar o livro então vai à biblioteca.

Resumindo: escrever é um emprego como qualquer outro. Educa-te a ti mesmo sobre isso. Não, isso não significa que tens de ter uma licenciatura em literatura. Significa que tens de ler os livroe de recurso de um escritor e saber como é que as editoras funcionam. Sim, é muito para saber. Apenas como qualquer outro emprego. Não, não existem atalhos para seres publicado. Sim, tens de ter um completo e rescrito manuscrito - num formato aceitável - antes de começares à procura de uma agente ou editor. Não, uma "ideia" não irá vender a não ser que sejas uma celebridade, e assim seria um escrito fantásma, e isso é um assunto completamente diferente. Ah, e tem cuidado com o karma...

Desejo-te muita sorte na tua caminhada!

PC"

Espero que tenham gostado e deixem as vossas opiniões ;)

Que Nyx vos abençõe!

Fonte

3 comentários:

Danyela ☾ disse...

No continente está a haver uma feira do livro e os 4 livros da saga house of Night (Marcada, Traida, Escolhida e Indomável) estão com um desconto de 20%.

Acho que vos devia dizer para se quizerem anunciar no blog, pois pode haver fans que ainda não tenham algum livro e este desconto é uma boa oportunidade!

bjs

RaquelM disse...

Gostei muito deste post, talvez porque o meu grande sonho é mesmo escrever...

Concordo com tudo o que ela disse! E acho que quem tem mesmo a ambição de escrever, um dia há-de conseguir...

:)

Sofia Duarte disse...

A realidade é que são bastantes diferentes os pontos de vista que vários autores tem.

Essa é a resposta para quem quer ser escritor por profissão, em que o verdadeiro sentido de se escrever se perde nas obrigações que se criam para tentar seguir em frente nessa área complicada.

Cada um tem a sua opinião, aceito a dela, mas não concordo. Há muito mais do que ser simplesmente um trabalho, e aposto que não sou a única que pensa dessa forma.

E muitas vezes a forma como encaramos o que escrevemos, se traduz na qualidade do que criamos e desenvolvemos.

Não, não sou escritora por profissão. E, se é como ela o pinta, jamais gostaria de o ser. Porque a escrita desagua pelas minhas veias, e flui em cada frase que escrevo. Há muitas formas de ver o que é escrever, e nenhuma delas é errada.

Unforgiven Hugs!