http://i1295.photobucket.com/albums/b634/Katleyy/letras-Coacutepia3_zpscc96821c.png

domingo, 15 de Novembro de 2009

Wrong: Capítulo 5

Olhei-o continuamente espantada, mas desta vez também confusa. A custo, levantei-me da cama e dirigi-me devagar à casa de banho. Olhei-me ao espelho e estremeci. Por momentos achei que era um monstro, pois o meu aspecto era terrível. Fiquei por segundos a observar-me e doeu-me o coração. Oh, o Erik.
-Vais demorar muito? – Perguntou Damien que ainda estava a porta. Não respondi. Lavei a cara e num acto absurdo comecei a chorar, de novo.
Damien abriu a porta e foi até à casa de banho, que apoiou a sua face no meu ombro, e a sua mão friccionava o meu braço, numa tentativa de me reconfortar.
-Está tudo bem, Zoey. – Sussurrou gentilmente.
-Dá-me só um pequeno momento, vou já ter contigo à sala de convivência. Obrigado. – Disse rapidamente, fazendo-o deslizar até à porta e depressa deixar o quarto.
Voltei a lavar a cara e já tinha melhor aspecto. Vesti umas calças quaisquer que estavam no armário e um pólo preto, que se adequava perfeitamente às minhas curvas. Penteei-me e tentei sorrir perante o espelho.
Fui mais uma vez ao quarto e através da janela cheia de gotículas pequeninas de água, vi que estava a chover. Desde que entrara para a casa da noite passei a gostar de chuva, mas nesta ocasião só me dava vontade de voltar para os meus lençóis quentinhos e dormir. Mas não pode ser, não mesmo. Tenho que sair daqui e seguir em frente. Pois, a teoria é fácil. A prática? Não tanto. Respirei fundo antes de puxar a maçaneta da porta e enchi os meus pulmões de coragem. Damien continuava à minha espera, mas estava sentado. Decerto que sabia que eu iria demorar o meu tempo.
-Estás pronta? – Inquiriu Damien ligeiramente feliz. Estaria ele a fazer das suas?
-Sim. – Balbuciei, tentado sorrir. Confesso que nem foi assim tão difícil. – Posso só beber uma Coca-Cola, num segundinho? – Acrescentei, fazendo-o o rir.
Ele acenou afirmativamente e eu dirigi-me à cozinha. Procurei desenfreadamente por uma lata que certamente chamava pelo meu nome. Depois de encontrar uma, sem ser de dieta, dei vários golos de seguida e saboreei aquela bebida. O gás brincava com a minha garganta e ri baixinho quase me engasgando. Voltei a rir pela minha situação estúpida. Voltei para junto de Damien e estava de melhor humor. Ele sorriu pela minha melhoria.
-Preparada? - Questionou ele sorrindo, por momentos a minha mente divagou, foi mais longe, será que o Erik tinha voltado? O meu coração ardeu com aquela ideia tão idiota.
Inspirei profundamente. - Sim!
-Jack entra.
A porta abriu lentamente, mas quando vi o que a porta escondia assustei-me.
O cabelo loiro desalinhado, a cara de criança, os olhos claros. O corpo de desportista, o-h m-e-u d-e-u-s!
-O QUE ESTÁS AQUI A FAZER HEATH? TU SABES QUE É... - só depois de estar a gritar com ele é que reparei na pequena lua que se encontrava na sua testa com alguns cabelos a esconde-la. - O QUE? COMO?!
A minha respiração acelarou. Acelarou demasiado.
-Zoey estás bem? - Perguntou Damien colocando a mão atrás das minhas costas.
-COMO? - Livrei-me dos seus braços e apontei o meu dedo indicador - COMO É QUE TU? Tu, o MEU Heath, te atreves a seres marcado? COMO EXPLICA-ME HEATH! JÁ!!
-Zo, tem calma, eu não tive culpa. - Murmurou. Tinha vontade de o abraçar, mas não o iria fazer, estava demasiado chateada com ele para isso, ele não podia ser vampiro. - Um caça apareceu quando estávamos no treino e todos me viram a ser marcado, eu não pedi nada. Depois disso desmaiei, e tive um sonho estranho. Sonhei com uma mulher a dizer-me que tu estavas em perigo, e que eu devia ajudar-te. Que tu precisavas de encontrar o teu caminho de novo. E quando acordei já estava aqui na Casa da Noite.
-Nix. - Murmuraram Damien e Jack ao mesmo tempo.
-Fiquei preocupado contigo, e não me importo de ser uma aberração se estiver ao teu lado. - as últimas palavras de Heath fizeram com que o meu gelo derrete-se e apesar da minha confusão interior corri para o abraçar, encostei a minha cabeça no seu peito e inalei o seu perfume caro - tinha saudades, quase tantas como tinha de Erik.